Bomber Boys

2 de fevereiro de 2010 at 11:13 pm (1)

Senhoras e senhores, após muito tempo  de espera, depois de muito choro e masturbação, o ZEZITO encerrou as férias. Antes de iniciar o tema dessa semana (“bomber boys”), aproveitem as tirinhas que resumem minhas férias!

PRIMEIRO DIA DE VIAGEM:

ÚLTIMO DIA DE VIAGEM:

O tempo no campo me custou 7 maços de cigarros, uma garrafa de whisky, meia garrafa de vodka e cerca de 30 cervejas. Mas valeu à pena, eu aprendi muita! Aprendi que ficar sozinho é bom, mas estar na companhia do bom e velho Johnny (Johnny Walker) é melhor ainda. Confesso que se eu tivesse mais cigarros, mais dinheiro e mais whisky, eu ficaria por mais tempo. Mas a volta à tão maravilhosa (e molhada) São Paulo guardava surpresas que eu não poderia prever. Dentro em breve, se der tudo certo, farei um post especial contando como foi que minha vida voltou aos trilhos, literalmente!

Falando sobre o tema central desse post, acompanhe a tirinha a seguir:

A tirinha é ruim, eu sei, mas resume PERFEITAMENTE a minha opinião a respeito dos “bomber boys”. Esses trogloditas de 4 metros de largura passam o dia inteiro dentro da academia malhando ou tomando suplementos vitamínicos. Alguns simplesmente injetam substâncias ilícitas. Não importa o método, mas sim o resultado: 100 Kg de pura futilidade e idiotice!

Esses caras veneram tanto o próprio corpo que fazem absoluta questão de mostrar pra todos! Mais do que mostrar, eles querem ser tocados, e passam esbarrando em todos! Não importa a hora do dia ou a estação do ano, esses caras TÊM QUE MOSTRAR a pilha de músculos. Já presenciei um rebanho desses animais passeando de regatinha e touca de lã em pleno inverno paulista, abaixo dos 10ºC!!!!!

Essa busca incansável pela robustêz física não é mais uma questão estética, é um “culto”, uma “tribo urbana”. Os membros dessa “Gangue” compartilham muitas características em comum: Não gostam de NADA que remeta à cultura e ao bom senso! Não gostam de ler, muito menos de conversar. O negócio deles é inflar o peito e intimidar as pessoas “normais” feito eu e você. Na balada eles fazem questão de chamar todas as atenções, seja brigando ou agarrando as meninas à força.

Dá até pra entender os motivos deles, afinal de contas, eles não sabem conversar, não tem assunto nem desenvoltura. De que outra forma eles seriam capazes de “conquistar” alguém, se não pelo uso da força? Além disso, tem muita mulher fútil que se deixa agarrar! Ou seja, se o método funciona, pra quê mudar?

A maior prova de que esses animais NÃO PENSAM é o caso que aconteceu a alguns anos, quando um promotor público atingiu um desses monstros com meia dúzia de tiros no peito! A imprensa, voz do “povo” e da ignorância, veio em defesa do “pitboy” na época. Vocês sabem como essa história realmente aconteceu? Eu vou contar!

O promotor público estava na praia, gozando do seu bom salário e da sua boa namorada. Um grupo de playboys carrancudos e bombados viu que o promotor era magro e pequeno, e que sua namorada era muito, muito bonita. Resolveram mexer com ela, daquele jeito impositivo e ameaçador que eles conhecem muito bem.

O promotor, intimidado, foi até o carro e pegou sua arma. Claro, um promotor público anda armado!!!! Sabe porque? PORQUE A PROFISSÃO DO CARA SE RESUME A PRENDER BANDIDOS!!!!! Ele presta um serviço de utilidade pública, e arrisca a própria vida em nome desse trabalho! Não importa o local, ele tem que estar SEMPRE armado, porque nunca se sabe quando algum bandido ou comparsa pode tentar se vingar!

Enfim, o promotor foi até o carro e pegou a arma a fim de se defender das ameaças dos trogloditas que estavam mexendo com sua namorada. Os trogloditas foram atrás dele, e ele tentou se afastar, mas os animais continuaram a seguí-lo. Ele sacou sua arma, apontou para eles e disse: “Afastem-se”. Eles não se intimidaram, partiram pra cima do promotor com toda fúria. O promotor teu um tiro para o alto, para mostrar que a arma era de verdade e que ele não estava brincando! Eles não se intimidaram, e continuaram a avançar! 

Imagine-se na pele do promotor: Um monte de pitboys, todos do tamanho de em caminhão, partindo pra cima de você mesmo sabendo que você está armado? O QUE VOCÊ FARIA? Deixaria que eles te matassem na porrada e ainda roubassem sua arma? EU, com certeza, atiraria neles até que deixassem de ser uma ameaça à minha vida e à vida de pessoas comuns.

Nos jornais ouviam-se coisas do tipo: “Promotor público baleia jovem na praia porque ele havia mexido com sua namorada”. Porra, que absurdo! CLARO que ele baleou! Muita gente massacrou o promotor dizendo que ele poderia ter atirado na perna, e não no peito. Quem diz isso, sinto muito, mas é porque não imagina o que é segurar uma arma, muito menos atirar com uma! Não é tão simples assim! Não é que nem jogar videogame!

Bom, contei essa história para mostrar que o excesso de exercício, de hormônios e de esteróides faz alguma coisa no ego e na mente desses caras que os impede de pensar e de raciocinar. Tudo para eles gira em torno da aparência física e da intimidação. Eles querem, o tempo todo, provar pro mundo e pra eles mesmo que eles são melhores, mais fortes e mais poderosos.

Não tenho nada contra um pouco de cuidado com o corpo, pelo contrário, acho que falta muito exercício na vida das pessoas. O que eu não gosto é esses caras que parecem que estão a ponto de explodir! Quando vejo um cara assim eu penso: “Nossa, parece um boneco feito de cocô!”. Aliás, o problema não é com a aparência, é com o jeito de “machão” deles. Violência não tem nada a ver com masculinidade! Agressividade não tem nada a ver com poder!

Enquanto eu me resumo à sagacidade das palavras e das tirinhas, eles entoam um verdadeiro mantra de existência:

“Eu sou playboy, filhinho de papai, eu tenho um pitbull e imito o que ele faz…

eu sou playboy, filhinho de papai, eu era um debilóide e fiquei ainda mais.”

Gabriel o Pensador.

Anúncios

Link permanente 18 Comentários