Licor dos Deuses

30 de novembro de 2009 at 11:19 pm (1)

Afinal de contas, o que é necessário para formar um bom cartunista? Eu sei que é necessário muito mais do que uma caneta, uma boa idéia e um pouco de alcool. É preciso talento, técnica, inteligência, bons contatos, dedicação e muiiiito tempo livre. Eu não tenho nada disso (só tempo livre!), mas eu posso sempre contar com a boa e velha inspiração etílica.

Em doses moderadas, o alcool tráz mais benefícios do que malefícios. Ele abre uma nova janela para a mente, nos permite ver além do que a lucidez nos exibe e nos dá a capacidade de pensar sob diferentes e novos pontos de vista. Além disso, o alcool é um desinibidor social, ele lubrifica as relações humanas e nos libera dos entraves sociais comuns, como a timidez e a vergonha.

Às vezes nem é necessário beber para se embriagar com os efeitos do alcool. Estar na presença de pessoas que beberam já é suficiente para nos alegrar, nos disinibir e nos tornar mais sociáveis.

Como eu sei de tudo isso?

Essa sabedoria etílica eu adquiri empiricamente, participando de festas e mais festas regadas a muito alcool. Também já participei de festas evangélicas, sem nenhum alcool, e sei que são uma bosta! 

Esse post eu dedico a todos os cachaceiros de plantão, aos bebedores de todos os dias, aos bebedores de final de semana e aos bebedores que não podem beber e esperam ansiosamente pela chance de beber.

Um agradecimento especial ao Beça (ofensivo por natureza->), cachaceiro de plantão, pela companhia e pela conversa compartilhada entre um gole e outro.

À cachaça nossa de cada dia, BEBAMOS!

Ps.: Peço desculpas pela demora em atualizar e pela falta de capricho dos desenhos, mas eu passei por uma ressaca moral e etílica muiiiito intensa.

Anúncios

Link permanente 24 Comentários

Vá com Deus(?)

23 de novembro de 2009 at 11:40 pm (1)

Vocês se lembram daquele programa da Globo que mostrava casos policiais mal resolvidos, Linha Direta? Ótimo programa, eu adorava! Eu gostava dos mistérios sobre os crimes, dos desfechos, do suspense, dos dramas policiais, das técnicas de investigação e até mesmo da música dramática.

Provavelmente pouca gente gostava tanto assim, tanto que ele saiu do ar. Só tinha uma coisa que me deixava um pouco desconfortável ao assistir: Sempre que passava algum caso de assassinato, aparecia um monte de depoimentos de gente falando sobre a pessoa que morreu. Falavam da pessoa como se ela tivesse sido um anjo, enumeravam todo tipo de qualidades e omitiam todo e qualquer defeito.

Eu me questionava: “Porra, será que só morre gente tão boa?”.

Claro que não! Mas depois da morte, todo mundo tem uma tendência a omitir os defeitos e destacar as qualidades daquele que se foi. Isso é bem compreenssível, pois todo mundo tem qualidades, e depois da morte, cabe aos vivos destacar o lado bom da pessoa e deixar que os defeitos se amenizem. Afinal, o morto não tem como se defender!

Mas isso não se aplica a todo mundo. O ex-prefeito de São Paulo, Celso Pitta, morreu na semana passada, e desde então a imprenssa tem dado especial atenção aos escândalos e aos casos de corrupção que marcaram a gestão dele. Eu, como paulistano, confesso que não chorei essa morte, e duvido muito que algum outro cidadão tenha chorado.

Não comemorei, claro, apenas não lamentei…

Na época em que ele foi eleito, eu ainda nem votava, mas eu me lembro que ele fez inúmeras promessas. Infelizmente não posso enumerá-las, pois ele não cumpriu nenhuma! A vida pública de Celso Pitta não deixou nenhuma grande obra, nenhum grande projeto, nenhum grande programa de educação, nada! Aliás, nada DE BOM. Ele deixou o escândalo dos precatórios, o caso da operação Satiagraha, as denúncias de desvio de verba, os contratos ilegais, as compras superfaturadas de remédios vencidos e etc…

A viúva dele prometeu lançar uma biografia para limpar o nome do marido, mas acho pouco provável que ela consiga, pois qualquer livro falando BEM sobre Celso Pitta está mais para ficção do que para biografia. Provavelmente essa é uma tentativa de preservar a fortuna que ele deixou depois de anos de roubalheira, pois a Justiça prometeu que continuará as investigações, mesmo depois da morte dele.

Talvez eu esteja cometendo uma injustiça contra um pobre homem de sessenta e poucos anos que morreu de cancêr, mas mesmo que Celso Pitta não tenha sido corrupto (apesar de eu achar que ele foi!), sei que ele foi um PÉSSIMO administrador público! Prova disso é que mesmo depois de morto surgiram apenas depoimentos negativos a seu respeito. Inclusive, a imprensa divulgou: “Compareceram no velório de Celso Pitta poucas pessoas, apenas ALGUNS amigos e ALGUNS parentes…”.

Bom…, Celso Pitta pertence a uma raça diferente de “gente”, a raça política!

Vai com Deus(?) meu caro!

Link permanente 20 Comentários

Memória de minhas putas tristes.

18 de novembro de 2009 at 12:56 am (1)

Eu sou muito suspeito para falar, pois sempre amei todas as flores: As Rosas, joviais e românticas; As Margaridas, maduras e deciditas; As Violetas, fúnebres e dramáticas; Até mesmo as Orquídeas, raras e sofisticadas. Mas tenho um amor especial pelas Camélias, que são manhosas e só liberam seu perfume durante breves instantes da madrugada.

A profissão mais velha do mundo é tão antiga quanto a própria necessidade de amar e de ser amado. A maioria das pessoam pensam que estar com uma prostituta é um ato de luxúria, uma perversão sexual ou um sinal da incapacidade de se conseguir sexo gratuito. Mas quem busca a companhia de uma puta busca mais do que um prazer volátil e rápido, busca o carinho e o afeto do amor com prazo de validade! Na presença de uma puta, queremos o abraço apaixonado, o beijo na boca (que elas nunca dão), queremos ouvi-las dizer que nosso pênis é grande e grosso (mesmo sabendo que é mentira), queremos o orgasmo fingido mais sincero e honesto que se pode pedir!

O sexo com a prostituta é um dos atos de amor mais sinceros que eu já conheci! ELA sabe que é por dinheiro, VOCÊ sabe que é por dinheiro, e NINGUÉM se magoa quando termina aquela meia hora de amor combinado. A prostituta não vende o corpo, ela vende uma ilusão honesta e saudável!A prostituição é mais honesta do que MUITO casamento!

Falando em prostitutas, vocês tem acompanhado o caso da Geyse Arruda, a “perva” da Uniban? Assim que o fato aconteceu e tomou a atual proporção, eu prometi a mim mesmo que não gastaria meu tempo escrevendo sobre o fato. Porém, para todo lugar que eu olho, seja na televisão, no jornal ou na internet, eu vejo alguma notícia ou alguma piada a respeito do ocorrido. Até mesmo alguns escritores que eu admiro gastaram algumas linhas para falar dela! Não tenho escapatória, preciso dar minha opinião.

 Não sei o que é pior nisso tudo, a atitude infeliz dos alunos da Uniban, ou a resposta hipócrita da sociedade. De repente todo mundo se comoveu com a história da moça e saiu em defesa dela! Dentre tantas coisas mais relevantes, nomearam GEYSE ARRUDA heroína, porta voz da liberdade! Em todo tipo de programa eu vejo a cara gorda e feia daquela menina, falando com um jeitinho meigo e assustado, como se ela fosse uma vítima recatada e inocente.  

Não aprovo a atitude dos alunos, mas acho que o maior pecado que eles cometeram foi compará-la a uma puta. As putas vendem  o amor, Geyse Arruda vendeu a discórdia. Se eu fosse uma puta, eu ficaria ofendida com a comparação!

É uma pena que o célebre Clodovil tenha morrido, pois numa situação dessas ele diria: “Você não pode nem ser puta, porque você é FEIA!”.

Para mim, Geyse Arruda não é uma puta, é só uma menina imatura, burra, feia, mal caráter, oportunista e sonsa. Para se tornar uma prostituta, ela precisa fazer uma lipo, uma limpeza de pele, uma boa maquiagem e um implante de cabelo. Aí, quem sabe, ela consiga se tornar uma puta “meia boca”.

Ps.: Para aqueles que realmente esperavam encontrar um filme pornô da Geyse, sinto muito, mas eu achei que ela já tem sido muito fudida!

Link permanente 16 Comentários

Descanso Merecido.

11 de novembro de 2009 at 10:45 pm (1)

Prisão de ventre3.2

Sabe quando dá aquela vontade de cagar, mas você segura bem forte? Aí, quando a vontade volta, vem com ainda mais força, e quando você resolve cagar, sai uma merda do tamanho de um mamão, que arromba seu cú e entope a privada? Pois então, foi mais ou menos isso que aconteceu em Itaipu nessa semana.

Desde 1999 que a questão energética no Brasil, em especial no Sudeste, estava mal resolvida. Cedo ou tarde a merda ia sair, e quando saiu, entupiu a privada e arrombou o cú de todo mundo. Metáforas à parte, o apagão dessa semana causou medo, complicou o trânsito e deixou muita gente entedida!

Mas apesar disso tudo eu confesso que adorei o apagão! A cidade de São Paulo, a capital que nunca durme, cochilou por algumas horas. Depois de tanto tempo acordada, a cidade se permitiu um breve e merecido descanço. Se não fosse o caos e as poucas luzes de emergência, provavelmente esse sono teria sido mais profundo.

Personagem novo2

Foi lindo! Da janela do meu quarto eu via um mar de prédios escuros, apenas com aquela luzinha vermelha no topo. Dava para ouvir, bem distante, o som das buzinas e das sirenes. Pouco a pouco o barulho foi diminuindo e por volta da meia noite já não se ouvia nada! Nesse clima de tranquilidade tão atípico, acendi uma vela e me pus a desenhar. Em pouco tempo eu consegui fazer mais de 15 desenhos, um atrás do outro. Na companhia do meu nostalgico mp3 à pilha (nem tão nostálgico assim), eu ouvia as notícias da noite nas poucas rádios que ainda transmitiam.

Enquanto boa parte dos paulistanos dormia ou se fudia na rua, eu aproveitei a ausência da televisão para dar asas à minhas inspiração.

Eu sei dos transtornos que o apagão causou, e eu realmente lamento por todos eles, em especial por aqueles vividos nos hospitais! Mas eu, no conforto da minha casa, adorei o apagão! A cidade pregou uma peça nos seus inquietos, estressados e barulhentos moradores. Durou pouco, mas durante breves horas São Paulo ignorou os gritos e os apelos dos paulistanos e permaneceu de olhos fechados.

Quando a luz voltou, foi um espetáculo à parte. Sentado na minha janela, fumando meu cigarrinho e admirando a escuridão, eu observei as luzes se acendendo, aos poucos, bem lentamente, como se fosse um longo e aconchegante bocejo. Junto com a luz, voltou também a barulheira de antes, com os gritos daqueles que ainda estavam na rua e os alarmes soando loucamente, como se fosse um neném que acorda no meio da noite. Não aguentei, tive em acesso de riso louco e descontrolado, numa mistura de alegria e tristeza. Alegria, porque percebi a ironia que ninguém percebeu. Tristeza, porque tinha acabado minha inspiração, e provavelmente demoraria  mais 10 anos para acontecer novamente.

Mas a cidade de São Paulo, na sua eterna benevolência, parecia estar satisfeita e descansada com aquele breve cochilo, e dava para ver no céu uma lua minguante, discretamente escondida entre as nuvens, como se fosse um sorrisinho cínico no cantinho da boca.

Enquanto São Paulo dormia, eu me mantive acordado e vigiei esse sono tão raro e tão merecido, dessa cidade tão linda e maravilhosa que nunca dorme, mas que nessa noite, cochilou!

Apagão2

A única coisa que eu lamentei, foi ter perdido metade da entrevista do Ronaldo no programa do Jô.

Link permanente 14 Comentários

Vida Vazia.

9 de novembro de 2009 at 9:36 pm (1)

vida vazia 3

Pessoal, quero pedir a opinião de vocês quanto à minha técnica de desenho. Eu nunca fiz nenhum curso de desenho ou coisa do tipo, então fico muito receoso na hora de desenhar. Nessa tirinha de hoje, eu utilizei a mesma técnica da tirinha anterior (kit básico do bom suicida), mas com uma caneta diferente. Qual vocês gostaram mais? Ah, no primeiro quadrinho, eu utilizei uma caneta roxa para dar mais textura pro desenho do sofá, mas achei que ficou muito poluído. Vocês tiveram essa mesma impressão? A idéia era deixar o cenário meio sombrio, e dar mais destaque ao personagem; uma espécie de “tragicomédia”. Deixei os outros quadrinhos com o sofá em branco, pois queria que vocês vissem dos dois jeitos (e porque, confesso, tive um pouco de preguiça de pintar tudo).

Por favor, dêem suas opiniões.

Apesar do desenho de má qualidade, cada vez mais sinto que minhas tirinhas dispensam um texto. No começo era diferente, eu escrevia, e depois eu desenhava. Agora não, as idéias entram na minha cabeça em forma de tirinhas, naturalmente, mas para escrever eu preciso fazer um esforço mental enorme! Meu deus, eu me neguei a ser chamado de “Blogueiro”, e acabei me tornando um cartunista!  

 
 
 
 

marty

Autoria: Ryotiras.com

Desabafos (e piadas) à parte, o texto de hoje não tem nada a ver com a tirinha. Vamos a ele!

Antes de qualquer coisa, eu quero deixar BEM CLARO que eu NÃO SOU HOMOFÓBICO. Não tenho nada contra homossexuais, e não ofendo nem agrido ninguém por causa da opção sexual. Aliás, nunca bati em ninguém (exceto numa ex-namorada vadia e no meu irmão mais novo, mas isso não conta!). Então, por favor, tenham isso em mente ao longo do meu texto.

Prestem atenção no diálogo abaixo:

A-Oieeeee, tudo beim?

B-Tudo bem, e você?

A- Tô Ó-timo!

B- Como foi a festa?

A- Foi MA-RA-VI-LHO-SA! Tinha taaaaaanta gêntchi, o lugar era muuuuuito legalm…, meu, foi sú-per legal.

(Espero que eu tenha conseguido reproduzir a fala com fidelidade).

Eu presenciei esse diálogo no último domingo, num barzinho, mas, por incrível que pareça, o personagem A era um homem, e o personagem B uma mulher! Não sei explicar o porque, mas acho esse jeito mole e meio afetado de falar extremamente irritante!

 Talvez eu pense assim porque convivi, tanto no colégio quanto no curso de eletrônica e no curso de engenharia, com caras meio truculentos, típicos “machões”. Na faculdade de engenharia, inclusive, até as mulheres eram meio “machonas” no jeito de falar.

Não é a tôa que um tal de “Zé Mayer” faz tanto sucesso com as mulheres. Ele é um homem que FALA COMO HOMEM. É como ele mesmo gosta de dizer, ele “exala testosterona”. E isso não quer dizer que ele é grosseiro ou rude, ele simplesmente fala de maneira normal, sem entoar ou distorcer a voz.

Balada Gay, Parada Gay, Grife Gay. Eu não suporto mais essas viadices! Tem tanta viadice na televisão, na música, nas roupas, em tudo, que até os heterossexuais viraram bichinhas! Muitas vezes o cara fala mole, com aquela musicalidade exagerada, mas é heterosexual!

Já falei isso antes, e quero deixar muitíssimo claro: Minha crítica não é ao homessexualismo, nem contra a opção sexual alheia, eu me refiro a ATITUDE! Eu respeito o homosexual, e acredito na liberdade de escolha. Se o cara gosta de beijar outro cara, isso é problema dele, ninguém tem nada a ver com isso. Se o cara quer dar o cú, ele que dê (e, por favor, convença as mulheres a darem também!) 

O que me chateia é esse “modismo” pela viadice, essa mania que as pessoas tem de valorizar bichices extremas. Eu fico rosa chiclete com isso! (desculpem, eu tive uma recaída).

O tempo todo ouço as pessoas dizendo: “Ai, os gays são tão engraçados, são tão desinibidos, tão soltos! Adoro os Gays!”.

Bom, eu não vejo graça nenhuma nisso! Porque fazem tanta questão de esfregar essa viadice toda na minha cara? Eu não saio por aí esfregando meu pinto na cara deles (apesar deles quererem muito). Porque será que os homens, independente da opção sexual, não podem simplesmente falar como homens?

O homossexual de verdade, com convicção da sua opção sexual, não faz questão de aparecer feito uma borboleta gigante! Já tá na hora de todos, homo ou heterossexuais, aprenderem a falar como GENTE, e não como animais no cio. Esse é um problema muito grave de ATITUDE. Todo mundo tem vontade de aparecer, de se fazer notar, e como a maioria das pessoas é vazia de conteúdo, eles utlizam dessa ferramenta interpretativa. A linguagam afeminada não é a única ferramenta que utilizam para aparecer, tem gente que fala alto demais, tem gente que fala que nem “mano” (de maneira impositiva) e tem gente que usa muita gíria ou muito palavrão. 

Você acreditam que até mesmo um MENDIGO me abordou com a voz toda afeminada? Meu, fiquei muiiiito rosa chiclete! (Ehr, desculpem de novo). 

Enfim, eu não sou melhor do que ninguém, eu também uso gírias, eu também falo palavrão, eu também falo errado, mas tudo com moderação! Marco minha linguagem pelas coisas que eu falo, e não pelo JEITO com que eu falo. Recrimino SIM o excesso de ornamento e a falta de conteúdo.

Repito, pela milésima vez: EU NÃO TENHO NADA CONTRA HOMOSSEXUAIS! Não venham me encher o saco com discursos “politicamente corretos” ou hipocrisias do tipo. Acho que cada um é dono do seu cú e tem o direito de dar (ou não) para quem quiser. Mas também acho que a liberdade de expressão é tão importante quanto a liberdade sexual. Então, antes de os falsos moralistas pensem em escrever alguma merda aqui, VÃO TOMAR NOS SEUS CÚS!

Pensando bem, “vida vazia” é um título que se aplica à tirinha, e ao texto também.

Vamos deixar o jeito mole e afeminado para as mulheres, porque elas são as únicas que conseguem fazer isso de maneira bonita e graciosa.

Borboleta

Só um último desabafo: Eu não esperava angariar tantos leitores, e esperava menos ainda angariar amigos. Mas recentemente eu tenho topado com personalidades incríveis, que além de me dar muito apoio, me ajudam a somar mais e mais leitores. Não deixem de prestigiar esses mestres do desenho e da gentileza. Obrigado a todos pela visita, e um abraço, em especial ao menu novo amigo Daniel B. de Oliveira. (confiram o “Anti-ajuda” e o “Ofensivo por Natureza” clicando no link do meu blog roll, bem ao lado).

Link permanente 24 Comentários

Blogueiro não!

3 de novembro de 2009 at 11:54 pm (1)

Suicida2

Algo que me entristece muito é ver como a literatura tem sido cada vez mais banalizada pelas pessoas. Isso não quer dizer que as pessoas lêem pouco, isso significa que as pessoas lêem MAL! Um bom escritor dificilmente faz sucesso, porque não vivemos num país de bons leitores.

Para piorar, a internet veio a banalizar ainda mais a escrita. Desde que a internet se popularizou, surgiu uma categoria diferenciada de ser-humano, o Blogueiro! O blog e o ato de criar e escrever blogs é algo lindo, fruto de uma democratização da palavra e da informação. Mas toda democracia tem suas falhas. A partir do momento que se abre um espaço tão grande, tão amplo e tão irrestrito para a divulgação de opiniões e conceitos, abre-se espaço para a difusão de idiotices diversas.

Antigamente, para um texto ser publicado, era necessário imprimir e distribuir. Mas isso custava caro, então tudo que era publicado passava por uma análise detalhada que visava a julgar não apenas o conteúdo em si, como também a forma da escrita. Aliás, tudo era assim! Para publicar um livro, para divulgar um texto, para rodar um filme, para gravar uma música e etc…

Ainda assim, mesmo com todo o trabalho que se tinha, um monte de asneira era publicada. Eu já cheguei a ver uma reportagem na Veja que negava princípios básicos da física que qualquer estudante do colegial sabe! Também já vi erros gramaticais absurdos e textos sem nenhum compromisso com a lógica e a boa compreensão.

Enfim, se  com todo o trabalho de triagem e todo o custo de publicação existem livros ruins, revistas ruins, jornais ruins e filmes ruins,  imaginem o que rola no vasto, público e irrestrito espaço da internet? Merda! Rola muita merda!

Pior do que isso, toda merda faz sucesso!

Como todos sabem, eu visito diariamente alguns blogs dos quais eu gosto muito. Numa das minhas andanças pela rede, garimpando bons sites, encontrei o site de um “cartunista” que “desenha” tirinhas de humor. De acordo com os leitores assíduos desse site, o mérito das tirinhas não está nos desenhos, mas no conteúdo. Porém, percebi que o autor simplesmente desenha (mal desenhado, sem nenhuma expressividade) piadas e ditos populares. Não há criatividade, não há senso estético, não há nenhum trabalho artístico envolvido na criação daquele site! Aliás, não há trabalho nenhum! Mesmo assim, o site é um dos mais acessados, tem patrocínio e gera muita grana!

Isso não é exclusivo da internet. Veja só o tipo de literatura que faz sucesso hoje em dia: Revista Caras, Revista Capricho, livros do Paulo Coelho, etc… 

Até mesmo no mundo musical esse padrão se repete! Enquanto bandas boas, de muita qualidade musical, ficam no anonimato, Créu e Mulher Melancia geram fortunas! 

Enfim, a internet, ao popularizar a escrita, popularizou com ainda mais força a MÁ escrita! Eu já li bons livros que ninguém leu e já visitei ótimos blogs que ninguém visitou. E não adianta falar que “é tudo uma questão de gosto”, porque não é disso que eu estou falando! Eu estou falando do recorrente sucesso que o banal, o tolo, o fútil faz entre os brasileiros.

Por causa disso, da infinidade de besteira que os blogueiros de hoje postam por aí, eu me recuso a aceitar o título de blogueiro. Prefiro dizer que sou um escritor contemporâneo, que usa a internet como ferramenta necessária para ampliar os limites dos meus textos para além da minha mente e da minha gaveta. Podem dizer que eu escrevo mal, podem discordar do que eu digo, mas não me chamem de blogueiro, NUNCA!

E esse mérito não é só meu! Caminham comigo muitos outros escritores e cartunistas contemporâneos que buscam na internet apenas a facilidade de divulgação, e não a volatilidade nem a falta de filtro.

Pelo menos há uma coisa boa nessa história de “internet”. Quem divulga na rede tem liberdade de expressão. Se eu escrevesse numa revista qualquer, teria que moldar minhas palavras de acordo com a vontade de um editor. Na rede todo mundo tem o rabo solto! (no sentido heterossexual da palavra).

suisidio

Agradeço a todos os meus poucos e bons leitores por prestigiar “minha arte” como poucos são capazes de prestigiar. Desde a recente criação do blog foram cerca de 50 comentários e 500 visitas. Isso é muito mais do que eu esperava, porque eu não esperava nada. Obrigado!

E obrigado em especial ao Jehf Cardoso (http://jefhcardoso.blogspot.com/) por caminhar comigo nessa luta para a divulgação de uma literatura contemporânea de qualidade, e por ter me feito refletir a respeito do assunto.

Link permanente 29 Comentários